1 de jun de 2013

Sessão de autógrafos de Filhos do Éden: Anjos da Morte, com o escritor Eduardo Spohr.




Não é segredo para ninguém: eu, Larissa, sou assumidamente fã do escritor e jornalista Eduardo Spohr, o autor do best-seller internacional A Batalha do Apocalipse. Já fiz até um post aqui no blog a respeito das capas dos livros dele – tanto as nacionais quanto as estrangeiras. Nesse mesmo post, cheguei a comentar a curiosidade e a ansiedade em que eu estava para o segundo livro da série Filhos do Éden, o Anjos da Morte.

Pois bem: eis que no último dia 26/05, às 17h, aconteceu o lançamento oficial do livro em São Paulo, na Saraiva MegaStore do Shopping Center Norte. O evento marcaria a sessão de autógrafos do livro em SP, e contaria também com um bate-papo a respeito do livro com os fãs, mediado pelo vlogueiro Danilo, do Cabine Literária! Incrível, não?

Eu, como fã do Edu (sim, olha a intimidade) e fã do Cabine, não poderia perder essa. Infelizmente, como eu cheguei no Shopping Center Norte faltando 20 minutos para às 17h00min, e a essa altura a fila já estava enorme, acabei perdendo o super bate-papo que aconteceu no Espaço Marcos Rey, lá mesmo na livraria Saraiva. Uma pena, pois assim não pude fazer minhas próprias perguntas ao Edu, nem prestar atenção nos debates, e conseqüentemente, de imediato não posso dizer a vocês como foi. Mas não se preocupem: vai sair tudinho no site da Saraiva Conteúdo!


A fila estava realmente quilométrica. Eu, que cheguei pouco antes das 17h, já atrasada, nem de longe fui a última: a fila dava voltas no andar superior da Saraiva, sem contar na quantidade de gente que estava esperando sua vez de ter os livros autografados lá dentro da sala. Vira-e-mexe eu via os contornos do Eduardo ou meninos do Cabine Literária (o Danilo e o Gabriel) pelo lado de fora, graças ao vidro. Eu já estava há 5 horas na fila (sim, CINCO HORAS! Imaginem a quantidade de gente!) quando finalmente chegou a minha vez de entrar no Espaço.

A minha sorte é que não faltava assunto com as pessoas do meu lado – um beijo pra Thaís e pro moço à minha esquerda! – e nerdices e literatura foram assuntos recorrentes. Minha avó e meu pai também foram muito legais ficando comigo até a minha mãe chegar e liberá-los (e também por terem pago Starbucks para mim, naquela fila eterna....).

Depois de 5 horas na fila, mais uma hora e meia lá no auditório. 

Bom, ainda assim, eu estava longe. Sentei lá no último anel do auditório. E lá se foi mais 1 hora, 1 hora e meia. Pelo menos estava pertinho. Sorri para o Danilo e ele ficou confuso porque não me conhecia. A verdade é que estávamos todos cansados. O Edu mais do que todo mundo. 6 horas de fila, 6 horas autografando sem parar. Mas nem mesmo o cansaço chegou a desanimar o escritor: ele continuou sendo simpático, atencioso, tirando as fotos com um sorriso inabalável no rosto e agradecendo todo mundo por ter ficado ali até àquela hora.

Por fim, finalmente, chegou a minha vez! Acreditem: o tanto que eu enrolo para escrever é o mesmo tanto que eu me empolgo para falar. E eu não parei de falar. Ele foi super simpático, perguntou se os autógrafos eram todos para a “Larissa”, agradeceu por eu ter ficado até àquela hora. Eu disse que ele era um dos meus escritores favoritos, que eu era fã dele (dãrd, ce jura, Larissa? Acho que só 5 pessoas daquelas centenas deviam ser fãs dele, né?), que eu ficava enchendo o saco dele no Twitter; então ele perguntou se ele me respondia direitinho, pediu para eu dar um alô por lá, entre outras coisas.


Os dois minutinhos que eu fiquei lá com ele valeram às seis horas de espera. Sendo fã (e não, não consigo ser imparcial, me perdoem) eu fiquei muito feliz com a quantidade de pessoas que estavam presentes. É claro que filas nunca são legais, mas eu voltei para a casa com um sentimento de missão cumprida e de realização que é indescritível. O Spohr é uma das minhas referências no mundo da literatura, uma vez que lá no fundo eu tenho minha vontade de ser escritora; além disso, como não amar ABdA e FdE?




Por fim, e para completar a minha alegria, eu conheci o Danilo, do Cabine! Toda cara de pau, eu o chamei e perguntei se nós podíamos tirar uma foto. Conversamos um pouquinho, e como eu estava morta (e ele também), fui embora. Mas ó: o Danilo é um poço de simpatia e atenção! Mais cedo ele havia me retuitado no Twitter e eu disse isso a ele. Amei demais, gente! *-*

(Desculpem o filtro do Instagram, é que sem filtro a minha cara tá 1000x pior, acreditem). 


Até a próxima, Edu! E fiquem ligados, que a resenha de Anjos da Morte vai sair em breve! E você, já compareceu a algum evento para ver algum escritor? ;) 

4 comentários:

  1. Que legal!!! Vc teve uma grande oportunidade, hein, esteve pertinho de um dos seus ídolos. Estou louco pra ler algum dos livros dele, sério, vou até padir emprestado a um amigo, kk'.
    Bjs.

    Aguardo sua visita.
    Uma dose de palavras
    http://uma-dose-de-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Rogério, você precisa ler algo do Edu! Eu sugiro A Batalha do Apocalipse, para obedecer a ordem cronológica dos lançamentos (que nem precisa ser obedecida, na verdade...).
    E sim, foi ótimo! É uma sensação bem gostosa. ;)

    Estou indo lhe fazer uma visita lá no Uma dose de palavras. Beijo e obrigada por vir aqui!

    ResponderExcluir
  3. Meu sonho ir a um evento desses, mas moro em uma vila deserta onde a leitura é completamente desvalorizada, enfim, mas um dia ainda realizarei esse sonho.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Delmara, torço muito para a sua vila receba mais incentivo à leitura. De verdade. É uma sensação bem bacana, a de estar pertinho de algum ídolo teu, alguém que você admira. Você consegue sim! Planeje-se direitinho, e eu acho que pode dar certo.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir

Link-nos!

 - Dicas para blogs