17 de jan de 2018

Lendo 'O Nome do Vento', de Patrick Rothfuss: Parte 3 (Final)


Esse post contém spoilers de todo o livro. Tais post tem o objetivo de compartilhar as experiências de leitura, citando trechos e acontecimentos da narrativa, destinado àqueles que já tiveram contato com a história. Se você tem interesse nesse livro, recomendo que leia a resenha feita pela Larissa no blog, aqui.


          E finalmente, chegamos ao fim dessa leitura incrível e empolgante. Fechei o livro satisfeita e orgulhosa do personagem de Kvothe e de tudo o que ele tornou ao longo da história. 

        Na parte final do livro, Kvothe parte em uma aventura em busca de maiores informações a respeito de Chandriano, o ser misterioso que assassinou seus pais. Ele vai, então, à uma cidade distante onde ouve um incêndio suspeito em um casamento, matando várias pessoas.

          E durante essa viagem, é claro que ele acaba reencontrando sua amada, Denna, que continua sendo, para mim, uma grande incógnita na história, sem um propósito ainda definido. Pensei que talvez isso fosse esclarecido até o final do livro, mas o que temos são ainda mais duvidas a respeito do seu papel na jornada de Kvothe. Vamos ter que esperar pelo próximo livro. 

          E é nessa viagem também que Kvothe realiza mais um de seus grandes atos heróicos - sucedendo o resgate de Feila no incêndio na faculdade - matando um dragão gigante que ameaçava a cidade. Toda a sequencia de planos a serem traçados e execução foram de pura empolgação para mim, que torcia para que tudo desse certo para o nosso herói. E sim, a partir de agora, pode ser denominado assim.

          Outro momento que merece destaque é a do confronto "final" (pelo menos nesse livro) entre Kvothe e Ambrose, onde nosso protagonista diz o Nome do Vento pela primeira vez. Eu conseguia sentir sua ira e desespero enquanto o inimigo segurava o alaúde, seu instrumento tão querido e fonte de talvez um de seus únicos prazeres. O trecho onde ele invoca o Vento, causando um pequeno reboliço no local é um dos melhores do livro.

          Nas últimas páginas, voltamos ao presente, na Pousada Marco do Percurso, onde as coisas não poderiam estar mais estranhas. A chegada de um visitante estranho e inesperado nos faz suspeitar de todos, e aparentemente nada é o que parece. O Cronista e Bast, aprendiz de Kvothe, que antes eram meros coadjuvantes e quase insignificantes, tomaram seus lugares em um inevitável confronto que provavelmente tomará forma no próximo livro.

          Um livro incrível e do qual eu não mudaria nada, nem mesmo o início um tanto arrastado. Tudo contribuiu para a construção desse personagem único e tão complexo. Mal vejo a hora de adquirir e iniciar a leitura do próximo volume dessa série que promete ser uma das minhas favoritas de todos os tempos.

Por: Mariane

7 de jan de 2018

Lendo 'O Nome do Vento', de Patrick Rothfuss: Parte 2



Esse post contém spoilers das primeiras 400 páginas do livro. Tais post tem o objetivo de compartilhar as experiências de leitura, citando trechos e acontecimentos da narrativa, destinado àqueles que já tiveram contato com a história. Se você tem interesse nesse livro, recomendo que leia a resenha feita pela Larissa no blog, aqui.

          Nada como uma viagem para colocar as leituras em dia, né? Para mim, praia é sinonimo de um bom livro!

               E nas viagens de começo de ano, consegui adiantar boa parte desse livro tão incrível, ultrapassando as 400 páginas, e como prometido, voltei pra conversar com vocês um pouco mais sobre a minha experiência.

            A história de Kvothe toma um rumo surpreendente quando ele consegue ser admitido na Universidade. Me apaixonei pela perseverança e força de vontade do garoto, depois de passar por tantas atrocidades nas ruas de Tarbean. A admissão na faculdade foi merecida e me afeiçoei ainda mais ao personagem.

           Impossível não se lembrar das aventuras de Harry em Hogwarts com as encrencas que Kvothe se mete na Universidade. Desde inimizades com alunos filhos de nobres a professores carrancudos, suas confusões acabaram o levando até mesmo a um açoitamento em praça pública, punição do Arquivo e uma quase expulsão. Continuei amando o fato de que Kvothe não deixou o fato de estar na Universidade afetar sua personalidade icônica.

          Outra cena que merece menção é a de Kvothe tocando o alaúde em busca de algum dinheiro numa competição na Eólica. Tudo foi tão lindamente escrito, desde a voz misteriosa que acompanhou a canção, até as dificuldades que o personagem teve durante a execução. Provavelmente minha parte favorita do livro até agora!

          E como uma boa história, não podia faltar um romance, e é aí que entra a enigmática Denna. Confesso que ainda não consegui me apegar à personagem, que me parece um pouco jogada na narrativa sem nenhum propósito aparente até agora (até agora!). Inclusive, tenho que admitir que o autor peca um pouco na construção das personagens femininas, sendo pouquíssimas aquelas que são valorizadas e caracterizadas por mais que sua beleza estonteante. Espero que isso mude nas próximas páginas!

          Continuo apaixonada pela história e espero me impressionar ainda mais nos próximos capítulos. 

          Até daqui 200 páginas, onde vou dizer minhas impressões finais do livro! :)

Por: Mariane

2 de jan de 2018

15 metas para 2018!

E como todo início de ano, é sempre bom nos organizarmos para aproveitar o ano da melhor maneira possível, e isso não é diferente com as leituras. Então, organizei minhas metas para esse ano, com 14 livros a serem lidos e uma pequena meta que eu já havia prometido cumprir no ano passado, e acabou não dando certo.

1. O Nome do Vento (A Crônica do Matador do Rei #1), Patrick Rothfuss




2. Trono de Vidro, Sarah J. Maas



3.  Morte Súbita, J.K. Rowling



4. O Silmarillion, J.R.R. Tolkien



5. As Crônicas de Bane, Cassandra Clare, Maureen Johnson e Sarah Rees Brennan



6. Atlântida o Gene (Trilogia Atlântida #1), A.G. Riddle


7. E o Vento Levou, Margaret Mitchell



8. Vulgo Grace, Margaret Atwood



9. O Conto da Aia, Margaret Atwood



10. Senhor das Sombras (Os Artifícios das Trevas #2), Cassandra Clare



11. Tartarugas até lá embaixo, John Green



12. A Rainha do Castelo de Ar (Millenium #3), Stieg Larsson



13. A Cadeira de Prata (As Crônicas de Nárnia #6), C.S. Lewis


14.  Fortaleza Digital, Dan Brown


15. Ler até a página 502 de Tormenta de Espadas (As Crônicas de Gelo e Fogo #3), George R.R. Martin



Espero conseguir cumprir todas! E quais as metas de vocês pra 2018? :)

Por: Mariane

Os 5 melhores de 2017!

          E como de costume, uma seleção das minhas melhores leituras do ano.

1.     A Menina que Brincava com Fogo (Millenium #2), Stieg Larsson


E novamente a história da marcante Lisbeth Salander lidera minha lista com uma boa vantagem. Essa série é inexplicavelmente boa, e eu não canso de recomendá-la. Resenha aqui.

2.     Dama da Meia Noite (Os Artíficios das Trevas #1), Cassandra Clare


O universo dos caçadores de sombra sempre me surpreende e me faz ter cada vez mais certeza de que Cassandra Clare é a rainha da fantasia contemporânea! Resenha aqui.


3.     O Retorno do Rei (Senhor dos Anéis #3), J.R.R. Tolkien


Não, não é só porque é Senhor dos Anéis. O último livro da trilogia é mais envolvente que os primeiros e me deixou orgulhosa por ter lido algo tão incrível. Resenha aqui.


Releituras incríveis:

- O oceano no fim do caminho (Post aqui)
- Apanhador no campo de centeio (Post aqui)

Um ótimo 2018 para todos, e maravilhosas leituras para nós!

Por: Mariane

Link-nos!

 - Dicas para blogs